Dependência química



Maconha
Trata-se de uma síndrome de influência comportamental, cognitiva e orgânica grave e de proporções alarmantes em nível mundial. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde 10% dos habitantes dos principais centros urbanos em diversos países, praticam o consumo abusivo de pelo menos um tipo de droga psicoativa, independentemente de idade, sexo, nível de instrução e poder aquisitivo, estatísticas estas que, com algumas ressalvas se assemelham às do Brasil.
A dependência química além do prejuízo da vida social, devido ao descumprimento de compromissos diários e à má execução de tarefas cotidianas, traz também alguns indícios bem característicos e dentre eles pode-se ressaltar: o desejo intenso de consumo da substância que o vítima, logo nas primeiras horas do dia; tolerância orgânica o que favorece o consumo abusivo e descontrolado, que muitas vezes é responsável pela famosa overdose;  ansiedade e mal estar ao cessar ou reduzir a dose habitualmente utilizada; desinteresse gradativo pelas atividades outrora prazerozas do dia-a-dia; evidências de comprometimento das funções hepáticas, levando a alterações cognitivas e comportamentais, incluindo trastornos depressivos.
Em nosso país o início do uso de substâncias psicoativas, tem sido cada vez mais precoce, fato este que reflete em todo o território uma alarmante estimativa de mortes em decorrência do consumo desenfreado, principalmente das drogas de comércio "lícito", que são de fácil acesso e sem qual quer fiscalização formal. Qualquer criança pode ir ao comércio de esquina e comprar cigarros e bebidas alcoólicas, afirmando ser para consumo dos genitores e a venda é efetuada sem qualquer empecilho.


Fonte: OBID - Observatório Brasileiro de Informações Sobre Drogas
As situações de emergência são os quadros de intoxicação aguda (overdose), revelados pela perda súbita de consciência podendo estar acompanhada de dor torácica com aceleração dos batimentos cardíacos (taquicardia) e pulsos pouco perceptíveis à palpação ou ausentes, frequência respiratória diminuída ou parada respiratória, com cianose (lábios e extremidades de coloração roxa) ou convulsões. Nestes casos o melhor a ser feito em primeiro lugar é acionar ajuda médica ou uma equipe de resgate (SAMU, Bombeiros, entre outras), mantento a pessoa deitada de peito para cima, retirando com cuidado próteses dentárias, afastando o queixo do peito a fim de melhorar a respiração. Na ocorrência de crises convulsivas, proteja a cabeça da mesma, tendo o cuidado de voltá-la para o lado para melhorar a saída de secreções orais e evitar a aspiração destas pelos pulmões, deve-se também proteger a lingua fazendo um protetor com a própria roupa do paciente para que ele morda durante a crise. Acima de tudo tente manter a calma e em hipótese alguma abandone a pessoa que esta passado mal.
O tratamento da dependência deve iniciar por vontade própria do doente, devendo ser conduzido por profissionais qualificados, constituindo uma equipe formada por: psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais, nutricionistas e sem dispensar o apoio de uma estrutura familiar adequada nem o desenvolvimento e a prática de atividades físicas regulares, além da possibilidade de utilização de medicamento adjuvantes no tratamento das famosas crises de abstinência.

2 comentários:

  1. Olá Dr Marcio,

    Eu tenho um conhecido que muito se aborrece com o filho que usa droga; eu penso que muitas vezes os pais tem sua parcela de culpa. Esta mesma pessoa já fumou, já teve vícios com corridas de cavalos, e trocou os cavalos por pescarias noitadas a fora. Alem de que não tem compromisso com horarios. Então, como mal exemplo que é, o filho não tem um alicerce.

    Um prazer o conhecer!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Sissym, você tem razão, a estrutura familiar é um importante instrumento na prevenção e na cura da dependência química...
    Muito obrigado pelo seu comentário e saiba que o prazer é todo meu em poder colaborar com o esclarecimento sobre alguns assuntos.

    Beijos e que Deus lhe abençoe!

    ResponderExcluir

Muito obrigado por sua colaboração!