Laboratório suíço deixa músculos de ratos e vermes mais fortes

 

Os cientistas conseguiram eliminar um receptor que inibe a fabricação de tecido muscular, fazendo com que os animais corressem melhor.

Laboratório de pesquisas sobre o câncer na Austrália
Se confirmados em seres humanos, estes resultados poderiam tratar a degeneração muscular gerada por envelhecimento

Genebra - Um experimento liderado pela Escola Federal Politécnica de Lausanne (EFPL) obteve músculos mais fortes e melhor constituídos em ratos e vermes, o que permite correr distâncias mais longas e mais rápido.
Usando manipulação genética, os cientistas conseguiram eliminar um receptor que inibe a fabricação de tecido muscular, fazendo com que os ratos e vermes conseguissem correr melhor, e aguentar baixas temperaturas.
De acordo com a instituição científica, se confirmados em seres humanos estes resultados poderiam tratar a degeneração muscular gerada por envelhecimento ou determinadas condições genéticas.
Novas pesquisas sobre as prováveis aplicações terapêuticas deste experimento poderiam favorecer, por exemplo, idosos que são propensos a quedas por sua fragilidade muscular, que em alguns casos tem graves consequências.
O professor Johan Auwerx, diretor do Laboratório de Fisiologia Integrativa e Sistêmica do EPFL e principal responsável pela pesquisa, vislumbra inclusive a possibilidade de desenvolver um tratamento para distrofias musculares de origem genética.
As conclusões deste experimento, no qual colaboraram o Centro Integrativo de Genômica da Universidade de Lausanne e o Salk Institute (Califórnia), permitem entender melhor certos mecanismos que determinam a constituição dos seres vivos.
'Se não estivessem retidos pelo efeito de um inibidor natural, os músculos seriam mais fortes, mais poderosos e melhor constituídos do que são', explicou o EPFL em comunicado.
Uma vez que entenderam este mecanismo, os cientistas que participaram do experimento decidiram manipular o receptor em questão e criaram 'super-ratos' com uma musculatura duas vezes mais forte que a de outros da mesma espécie.
'Os ratos que sofreram esta mutação se transformaram em verdadeiros corredores de maratonas, capazes de correr mais tempo e mais rápido antes de mostrar os primeiros sinais de cansaço', destacou a instituição.
Esses exemplares conseguiram correr quase o dobro da distância percorrida por ratos que não foram submetidos ao tratamento, e também mostraram mais tolerância ao frio.
Outro aspecto destacável do descobrimento é que todos os resultados foram igualmente constatados em vermes, o que para os cientistas significa que podem ser aplicados a uma ampla amostra de seres vivos.
O artigo científico com a divulgação dos resultados diz que a experiência foi além de outras que também criaram super-ratos, mas se concentraram na forma como a energia era consumida no músculo.
Desta vez foi observada profundamente 'a própria constituição do músculo durante o crescimento do organismo', afirmaram os autores da pesquisa. O tecido adiposo dos ratos ofereceu outras conclusões surpreendentes: a eliminação desse mesmo receptor-inibidor permitiu modificar seu tamanho.
De acordo com o professor Auwerx, o tratamento tornou os espécimens estudados mais obesos, mas sem sofrer de diabetes, como os ratos com sobrepeso similar em outras ocasiões.
Um dos aspectos que mais encoraja os cientistas envolvidos é que não encontraram 'o menor efeito secundário desfavorável' na eliminação do receptor-inibidor em estudo. Por isso, eles já procuram moléculas medicamentosas capazes de diminuir o efeito desse receptor.
Apesar dos efeitos positivos que esta descoberta pode ter se for comprovada a aplicação do estudo em seres humanos, Auwerx reconhece que um medicamento poderia ser uma alternativa a atletas desonestos que buscam um rendimento melhor através do doping com substâncias químicas.

Fonte: EXAME

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por sua colaboração!